“Conversando com um serial killer: Ted Bundy” coloca pela primeira vez sob os holofotes a mente doentia do assassino Ted Bundy. O inquietante documentário apresenta de forma inédita entrevistas assustadoras com o criminoso apelidado de “Jack, o Estripador dos Estados Unidos”.

Theodore Robert Cowell, mais conhecido pela alcunha de “Ted” Bundy, foi um dos mais temíveis assassinos em série da história dos Estados Unidos da América durante a década de 1970. Ele iniciou a sua carreira criminosa assassinando e estuprando as suas vítimas. Era um homem charmoso, comunicativo, de conversa e palavras convincentes, que lhe ajudariam a seduzir e eliminar mulheres em uma matança desenfreada. Foi preso e conseguiu fugir, dando continuidade a seus crimes na mesma noite em que escapara. Em 15 de janeiro de 1978, ele partiu em uma noite de chacina e matou duas meninas e feriu três outras ao redor do Chi Omega, uma casa de república de mulheres em Tallahassee.

Conversando com um serial killer: Ted Bundy

Ted Bundy foi levado a julgamento e condenado à pena de morte por eletrocussão. O júri demorou apenas quinze minutos deliberando sobre o veredicto. Executado em 24 de janeiro de 1989, Bundy ainda foi alvo de uma ironia no dia de sua morte: foi uma mulher quem ligou a chave da cadeira elétrica que pôs fim à sua vida. Ted admitiu que tinha “um apetite insaciável por pornografia violenta”

A série documental gira em torno de um homem cuja personalidade, boa aparência e simpatia desafiaram o estereótipo do assassino em série, o que lhe permitiu se esconder à vista de todos enquanto cometia violentos crimes sexuais. Até sua captura, em 1978, Bundy matou mais de 30 mulheres.

Conversando com um serial killer: Ted Bundy

Durante seu julgamento, ele recebeu demonstrações de adoração por parte de mulheres americanas, o que tornou os crimes ainda mais perturbadores.

Conversando com um serial killer: Ted Bundy já esta disponível na Netflix.