O terror flutua pelo cinema.

Enquanto Hollywood sofreu um dos piores verões em muitos anos, o gênero do terror está rindo a caminho do banco. A Universal deu o start com um grande sucesso “Corra” (Get Out) de Jordan Peele e “Fragmentado”(Split) de M. Night Shyamalan. Juntos faturaram US$250 milhões de dólares em todo o mundo. Annabelle 2: A Criação de David F. Sandberg arrebatou $300 milhões de dólares. Enquanto estamos comemorando esta boa safra, nenhum deles foi tão importante como IT, que destruiu todos os recordes de setembro atingindo $100 milhões de dólares em seu primeiro fim de semana.

Na verdade, estimativas iniciais estão relatando que IT explodiu para um fim de semana de abertura com a estimativa de US$117 milhões, tornando-se a melhor estreia de todos os tempos no gênero do horror.

Os $117 milhões estão nos Estados Unidos, e os primeiros relatórios internacionais, acabaram de adicionar $62 milhões no total. As estimativas do início da manhã de domingo, mostram que o mercado mundial é brutal, com $179 milhões.

Um comparação interessante é o Spider-Man: Homecoming da Sony, que teve um estreia similar. E para terminar a contagem insana, só nos EUA, IT pode faturar em torno de US$325 milhões e em todo mundo US$750 milhões, o que seria um número jamais visto em uma produção de terror. US$500 milhões desta projeção, já estão garantidos distribuído por todo o mundo.

Eu não sou fã de relatórios de bilheteria, mas, como todos sabemos, Hollywood é “ação e reação”. Esses números significam algo e a ascensão de IT pode afetar toda a indústria do cinema. Cada filme de terror/horror faz milagres com orçamentos que chegam a US$5 milhões de dólares e ficam bons. Esse valor é praticamente o orçamento de um filme independente para festivais.

Por um outro lado, no inicio dos anos 2000, os estúdios praticamente abandonaram o gênero tornando quase impossível recuperar os investimentos. Como eu disse, Hollywood é “ação e reação” e IT nos salvou de filmes subestimados; Esta abertura significante é um sinal para os executivos que nós existimos e estamos dispostos a gastar com um terror/horror de qualidade. Basta apenas para acertar alguns ponteiros e encontrar bons projetos sem gastos excessivos e desnecessários que todos saem ganhando.

Espero que a Warner Bros. Pictures e a New Line Pictures não esqueçam de como chegaram aqui. Quando Cary Fukunaga se juntou a adaptação de Stephen King, originalmente era somente uma produção da Warner. Pelo que dizem, as preocupações com o orçamento inicial fez com que o estúdio na época criasse pausas na produção e por isso ele foi transferido para a New Line. Lá, Fukunaga saiu do projeto e Andy Muschietti foi chamado para repaginar toda a produção e se adequar a um orçamento menor (aproximadamente $35 milhões). Mesmo com um orçamento menor, eles gastaram muito comparado com outras produções. Você simplesmente não pode falar mal sobre a qualidade de IT em muitos níveis.

Faz tanto tempo que vimos um filme de terror com esse apoio e beleza, estou ansioso por mais produções como esta. É hora dos estúdios saírem da mentalidade do micro-horror e voltar ao básico. Eles precisam apoiar o gênero e sempre estar atrás de projetos que renovem o estilo, sem deixar o orçamento sair do controle e acabar matando ou sendo engolido pelo próprio monstro que eles criaram.

Existe um lugar onde o horror pode viver e oferecer lucros com qualidade. O mais próximo que vimos flutuar pelos esgotos é com a franquia de Invocação do Mal da New Line, que continua a ter uma considerável bilheteria que também é feito dentro de orçamentos bem razoáveis.

Se entreguem sobreviventes, é hora do grande momento da virada do horror! Estamos apenas começando…