Se tem algo que eu amo fazer é encontrar livros diferentes com a temática apocalíptica. Enquanto leio o filme (ou a série) se passa ma minha cabeça nitidamente, quando isso acontece é sinal de que a trama foi muito bem feita, com elementos divertidos e criativos para um assunto que as vezes fica limitado, mas este não é o caso de Febre Vermelha.

Um navio desgovernado encalha nas pedras em Praia Grande, com sua tripulação brutalmente assassinada em alto mar. Em pleno verão na Baixada Santista, a manchete nos jornais é vista com indiferença pela população, que está mais preocupada em curtir o feriado de ano novo. Em poucos dias, uma epidemia misteriosa se espalha pelo litoral, deixando seus infectados com uma febre ensandecedora, olhos vermelhos e fome insaciável. Ocorrências de extrema violência e canibalismo tornam-se cada vez mais comuns, e as autoridades não são capazes de lidar com o caos que domina as ruas e ameaça contagiar todo o país.

Com cenários reais em Santos, São Paulo e região, acompanhe a perigosa jornada de um grupo de sobreviventes, cada um com motivações e problemas pessoais, dispostos a fazer o que for preciso para sobreviver à Febre Vermelha.

Quem quiser um exemplar de Febre Vermelha, pode comprar direto com o autor. É só mandar uma mensagem para ele pela fã page Febre Vermelha, basta clicar aqui!

Quem assina a obra é o Francis Graciotto que nasceu em Santos em 1986 e sempre imaginou como seria sua cidade infestada de zumbis. Em 2016, compartilhou esse sonho (ou pesadelo) ao publicar seu primeiro livro, Febre Vermelha.

Francis também é coadministrador do site Universo Zumbi e tem contos de terror publicados em antologias, sites e revistas literárias. Algumas destas obras agora são parte de seu próximo livro, Dias Febris, que será lançado em julho de 2018.

<

p style=”text-align: justify;”>