Em 2013 lembro muito bem de ficar muito emocionado com o curta “Cargo”, recém “bombado” na internet e vencedor de vários festivais (leia a matéria de 2013 aqui). O curta que estava no momento certo e aproveitando a febre The Walking Dead em sua segunda temporada no ano. Rumores sobre um longa foram especulados mais nada certo até 2016 quando a Netflix resolveu apostar alto no longa, investindo em um elenco muito mais forte e orçamento para muitos mimos que não foram possíveis durante a gravação do curta.

A espera valeu a pena, cada segundo do longa lançado no dia 18 de maio deste ano (2018), mostraram todo o potencial máximo de “Cargo”Yolanda Ram, roteirista original do curta e do longa, obteve sucesso ao manter a originalidade e sensibilidade do curta de 2013. Mostrando o verdadeiro drama de uma família normal em busca de paz para seguir a vida durante um apocalipse zumbi.

A animação é tanta que estou atropelando os fatos, vamos por partes!

Yolanda​ ​Ramke​ e​ ​Ben​ ​Howling durante as gravações de "Cargo"

Yolanda​ ​Ramke​ ​e​ ​Ben​ ​Howling durante as gravações de “Cargo”

Yolanda​ ​Ramke​ ​e​ ​Ben​ ​Howling não esperavam tantas dificuldades para colocar em prática a gravação do longa “Cargo”. Foram cinco semanas de filmagens, no sul da Austrália experimentando o que aparentemente era o pior clima em cem anos. Chuvas torrenciais, inundações, apagões de energia e até mesmo um mini ciclone. Houve um dia em que todo o elenco e equipe tiveram que ser evacuados de Leigh Creek, em preparação para a viagem de 7 horas de volta a Adelaide, os riachos do outro lado da estrada chegaram até a cintura das pessoas. Outro dia a equipe estava filmando dentro de um túnel, e o comissário de polícia aconselhou a todos que deixassem o local. Milagrosamente eles nunca perderam um dia de suas filmagens.

Martin​ ​Freeman dá vida a Andy

Martin​ ​Freeman dá vida a Andy

A primeira grande mudança foi a alteração do ator original de “Cargo”, no curta Andy Rodoreda interpreta o pai em busca da segurança de sua filha. Já no longa o consagrado Martin Freeman (O Hobbit) assumiu a responsabilidade do personagem Andy (nome escolhido como homenagem ao ator do curta). Apesar de nunca ter estado na Austrália, e tendo resistido a algumas condições adversas, Martin Freeman provou o porque ser um dos principais protagonistas. Ele teve um grande desafio físico durante as gravações, já que em 90% de “Cargo”, carrega um bebê nas costas. O tom adocicado na produção, se deve ao seu grande talento, houve um carinho especial na relação dele com a bebê, isso é perceptível de forma bem clara quando assistimos. O ator garantiu que cada momento, cada linha, cada ação seja completamente real. Se não for verdade, ele garante que sim. Ele encontra uma maneira de tornar isso real. Nunca há uma nota falsa. Até mesmo um filme que tem um conceito bastante elevado, é simplesmente lindo de assistir.

Simone Landers interpreta Thoomi

Simone Landers interpreta Thoomi

Simone Landers é a co-protagonista do filme, Thoomi, é uma garota indígena de 11 anos de idade que está profundamente conectada com sua herança e cultura aborígene tradicional, mas também é uma criança da era moderna. Ela possui uma força, convicção e sabedoria bem além de seus anos. Apoiando-se nas habilidades tradicionais de sobrevivência ensinadas a ela por seu pai, Thoomi prova ser uma criança excepcionalmente independente, engenhosa e corajosa. Ela está em uma missão para salvar seu pai, e nada irá dissuadi-la desse caminho – nem mesmo um estranho com uma menina. Simone foi uma das quatro garotas selecionadas para a rodada final de oficinas de audição, e ela se destacou desde o primeiro dia. Simone não é uma grande fã de filmes de zumbis, mas para ela “Cargo” não é realmente um filme de zumbis. Os vírus são simbólicos da poluição ocidental. O filme promove o respeito indígena pela terra e tenho orgulho de fazer parte disso.

Havia muito terreno inexplorado em “Cargo”. De um curta-metragem de sete minutos a um longa-metragem de 100 minutos, há uma grande diferença em termos de material. Você começa a entender o pensamento mais profundo sobre as coisas em que quer se aprofundar e expandir o universo do filme, todos os detalhes e novos personagens são incluídos na história de forma gradativa e atraente.

A paixão pela idéia central permaneceu forte, tendo sido inspirada pelo grau em que o curta foi adotado globalmente. Mas, seguindo em frente, os interesses criativos de Howling e Ramke estavam em cavar suas próprias identidades como cineastas australianos. A ambição era levar a história de amor entre pai e filha ao coração do original, e organicamente fundir isso com facetas dramaticamente excitantes da cultura e da história da Austrália. Parabéns, conseguiram com sucesso!

O cenário exuberante da Austrália

O cenário exuberante da Austrália

As novas camadas da história começaram a tomar forma dentro do cenário australiano pós-apocalíptico e, como parte disso, as tradições indígenas australianas foram incluídas, isso resultou em um enredo paralelo – de modo que o filme rastreia dois conjuntos de pais e filhas navegando em um ambiente devastado por uma epidemia. Assim, enquanto expatriados britânicos, Andy se esforça para encontrar um refúgio seguro para sua filhinha, a ferozmente independente garota aborígine Thoomi tenta salvar seu próprio pai. Ambos precisam um do outro para sobreviver. 

À medida que a “Cargo” evoluiu, ficou claro que os locais desempenhariam um papel importante na formação do mundo distópico da história, e a Austrália do Sul imediatamente conseguiu passar esta sensação. Os diretores e produtores empreenderam a exploração de locações durante o desenvolvimento e o financiamento, e foi a combinação das vastas planícies do outback, a intimidante, porém espetacular, Flinders Ranges e a vibrante região de Murray River que oferecia quintessência.

“Cargo” se tornou uma obra prima no mundo apocalíptico. Sua sensibilidade e veracidade é contagiante, mexendo com nosso corações. Ao lado do contraditório Maggie, protagonizado por Arnold Schwarzenegger, “Cargo” é uma pintura apocalíptica que dominou meu coração.

Trailer: